13 de jun de 2009

Luzinha no fim do túnel

Há cerca de três dias saiu na imprensa uma notícia que poderá dar algum fôlego (literalmente) para a manutenção da nossa floresta equatorial. O Pão de Açúcar, o Wal Mart e o Carrefour, as três maiores redes de supermercados do país suspenderam as compras de produtos bovinos de onze frigoríficos paraenses por falta de garantias de que a carne não venha de áreas desmatadas na Amazônia. Essa decisão foi tomada depois que essas redes receberam na semana passada uma recomendação do Ministério Público Federal do Pará. Na verdade, todas as grandes redes de supermercados (e outros 72 compradores de produtos bovinos) receberam a mesma recomendação. E o descumprimento do pedido pode resultar em multa de 500 reais por quilo de carne vendida.
Depois de assitirmos quase que diariamente matérias, fotos, vídeos dos abusos cometidos naquela região, e termos que conviver com a incrível inoperância dos governos federal, estaduais e municipais, finalmente alguém com poder, econômico no caso, toma uma medida. E com esse tipo de gente que não respeita leis, devasta áreas de preservação sem um pingo de peso na consciência só há um jeito de se lidar, ou seja, tocando no único ponto que lhes afeta: no bolso!
Espero que mais redes se juntem às já citadas. De nossa parte, façamos um mínimo esforço. Questionar a origem do que compramos - e não apenas quando se trata de carne bovina - é um sinal de maturidade como cidadãos e de inteligência como seres vivos.

Um comentário:

Marcos disse...

Legal isso. Toda empresa grande deveria ter essa noção do impacto que causa e ter atitudes éticas - isso traz lucros financeiros, provavelmente mais do que o ganho na gana. Mas cada cidadão precisa ter sua atitude consciente, é verdade: se interar das leis, ser menos imediatista, aí a coisa funcionaria.