16 de set de 2008

Caminhando




Nunca entendi bem porque as histórias em quadrinhos já foram consideradas por alguns como uma forma inferior de arte. Como considerar inferior um veículo de expressão que reúne mais de uma manifestação artística ( texto + desenho ) sem considerar ritmo e linguagem próprios? Claro, tem a questão do conteúdo, que realmente pode comprometer nosso desejo de ler, mas isso se estende a tudo: não vou assistir uma má peça de teatro só porque é teatro e teatro é uma forma de arte elevada.
Uma prova bem simples do que estou dizendo é essa história em pequenos capítulos que mostra momentos da vida de um velho num asilo. Uma história simples que relata uma situação bem quotididiana, um velho sendo assaltado por suas lembranças e desejos não atendidos por um enfermeiro egoísta - tudo sem afetação e exagero, num desenho simples, que fala tanto por seus espaços em branco do que por seus traços em si (que são belos, sem dúvida). Acredito que apenas o cinema conseguiria reproduzir a mensagem aqui implícita com tamanha sensibilidade, com a desvantagem de não contar com os desenhos.
É ou não uma obra de arte? E tem muito mais de onde saiu essa...
(Obs.: acho que esse TopShelf 2.0 foi o primeiro site de quadrinhos online que gostei de ler, me lembrou aquelas novelas em quadrinhos que saíam nos jornais antigamente, tipo Dick Tracy)

Nenhum comentário: