17 de ago de 2009

Prosa Afinada


Valdir Verona é um músico que iniciou sua carreira tocando em festivais de música nativista gaúcha, mas direcionou seus estudos para o violão clássico. Ao se encontrar com o som da viola brasileira foi se encaminhando para esse instrumento, e por ser um professor e pesquisador, acabou indo beber nas raízes da história da música regional. Já escreveu dois livros sobre o assunto e prepara um CD voltado à viola tocando gêneros sulistas.
Sexta-feira de tardezinha pude ir assistir a um "workshop" que ele está fazendo, e que ocorreu dessa vez na livraria do João, no centro de Caxias. O projeto se chama Prosa Afinada, onde além de tocar algumas músicas, ele fala sobre os ritmos e suas origens, contando histórias muito interessantes e mostrando como é rica a música de raiz autenticamente brasileira, seus folclores e também como ela se relaciona com a musica universal (tango, bolero, choro, etc). Tudo de forma simples e descontraída.
O trabalho de Verona é considerado de primeira categoria pela crítica e por músicos conceituados do meio. A viola, que é considerada por muitos como um instrumento da música caipira, está sendo, através do trabalho de diversos músicos contemporâneos de várias regiões do país, sendo revelada diante de outras possibilidades. No caso de Verona, é o resgate do instrumento na música regional, onde na verdade surgiu antes do acordeón (que tomou o posto de frente, deixando a violinha de lado). Vale a pena escutar o CD onde ele e o "gaiteiro" Rafael de Boni aproximam os dois instrumentos.
O lamentável é que a música de melhor qualidade não é o que mais vende. Esse é um dos muitos ótimos músicos que são desconhecidos da grande massa. Mas quem respeita seus ouvidos e sua saúde mental, como eu, ouve boa música. Altamente recomendável a pessoas de bom gosto.

2 comentários:

Le Daros disse...

Assino embaixo, parceiro! Só não precisava chamar o Rafa De Boni de "gaiteiro"... rsrsrsrsrs
Abrçs

Marcos disse...

Bom, já vi músicos ficarem brabos de chamar gaita de boca de gaitinha, mas todo mundo entende, acho que a experiência vale mais que a teoria e... peraí, tu também é músico, né?
rsrs